Síndrome do olho seco

Postado em 18 de novembro de 2018

Olhos secos acontecem quando nossos olhos não estão sendo suficientemente lubrificados, causando desconforto e, até mesmo, problemas de visão.

Já a Síndrome do Olho Seco ocorre quando existe a falta de produção de lágrima ou quando ela está alterada em algum de seus componentes.

Os olhos precisam das lágrimas para ficarem constantemente hidratados, assim, suas estruturas podem trabalhar de forma adequada e até mesmo impedir o atrito entre a córnea a pálpebra. Muitas vezes, porém, os olhos podem não receber hidratação suficiente, seja por alguma deficiência ou ausência da lágrima ou mesmo alguma falha do mecanismo de lubrificação dos olhos.

A lágrima é essencial para lubrificação, nutrição e proteção das estruturas oculares externas, como córnea e conjuntiva. Quando alterada em quantidade ou qualidade, essas estruturas deixam de funcionar corretamente ou mesmo sofrem determinadas consequências como:

  • Ardor nos olhos;
  • Coceira;
  • Irritação;
  • Olhos vermelhos;
  • Visão turva, que às vezes melhora depois de piscar;
  • Sensação de corpo estranho ou areia nos olhos;
  • Desconforto quando se lê, vê televisão ou trabalha em frente à tela do computador por muito tempo.

Causas da Síndrome do Olho Seco

Os olhos secos normalmente estão relacionados aos seguintes fatores:

Problemas na composição da lágrima
A lágrima é composta por três camadas: uma de água, outra de gordura e outra de muco, uma mistura ideal para hidratar os olhos da melhor forma possível. A camada oleosa é importante para evitar a evaporação da lágrima. Mas, se essa camada por acaso não for produzida ou for mal produzida, pode ocasionar a evaporação excessiva da lágrima, impedindo que ela lubrifique os olhos corretamente e causando olho seco. A camada de muco “prende” a lágrima no olho e a aquosa é basicamente a responsável pelas funções lacrimais: hidratação, proteção e nutrição.

Essa alteração na composição da lágrima pode ocorrer por diversos motivos, como deficiência de vitamina A, menopausa, problemas na glândula lacrimal, entre outros.

Produção deficiente de lágrimas
Algumas pessoas simplesmente não produzem lágrimas o suficiente e por isso o olho não é lubrificado de uma forma correta, causando desconforto e sensação de olhos secos.

Doenças associadas
O olho seco pode ser sintoma de problemas oculares blefarite, doenças conjuntivais, uso de medicação e outras doenças, além de fatores ambientais.

Fatores ambientais
Excesso de exposição ao sol, poluição, ar condicionado e ventos fortes diretamente nos olhos são fatores que podem influenciar na evaporação da lágrima e com isso aumentar a incidência de olho seco.

A redução de piscadas também pode causar o problema, pois como os olhos são lubrificados toda vez que piscamos, a redução dessa ação pode resultar em deficiência na lubrificação, o que torna os olhos mais secos. Isso ocorre, por exemplo, quando ficamos horas focados em telas de computador, tabletes, celular ou televisão. O número de piscadas cai de 22 vezes para apenas cinco por minuto.

Diagnóstico de Olhos secos
Ao visitar um de nossos médicos, ele fará primeiramente um exame ocular, que levará em conta as informações do paciente. Assim, ele poderá mensurar o volume secretado de lágrimas do paciente. Para tanto, o método mais comum é o teste de Shirmer. Nele, o especialista usa uma fitinha cuja ponta é colocada na pálpebra inferior dos olhos e o paciente fica com os olhos fechados por cinco minutos. A lágrima produzida nesse tempo vai molhando a fitinha.

Além disso, o oftalmologista poderá realizar teste para determinar a qualidade das lágrimas. Para isso, ele usa colírios com colorações especiais. Ao aplicá-los, o médico procurará por padrões específicos na córnea e medirá quanto tempo demora para sua lágrima evaporar.

Existem, ainda, métodos tecnológicos, como aparelhos modernos, que auxiliam, em alguns casos, melhor diagnosticar o tipo e gravidade de Olho Seco, como mensuração da osmolaridade, visualização microscópica de patógenos causadores de blefarites, exames de imagens que podem averiguar o tempo de ruptura do filme lacrimal, padrões de alteração baseados em cores, ente outros.

Tratamento de Olhos secos
O colírio de lágrima artificial é a primeira escolha utilizada quando alguém apresenta olhos secos. Existem basicamente dois tipos de colírios lubrificantes: os com conservante e os sem conservante. Os primeiros tem uma maior chance de irritar os olhos, mas vale consultar um oftalmologista para saber qual deles é mais indicado para você.

É importante ressaltar que colírios, muitas vezes, vendidos como “alívio” para os olhos nem sempre tem propriedade de lubrificantes e muitas vezes não auxiliam em nada o tratamento. Vale ainda lembrar que, colírio é qualquer forma de tratamento com medicação em tubos ou flaconetes para serem instilados, ou seja, um pote de colírio pode conter variadas substâncias, como lágrimas artificiais, até antibióticos potentes e anti-inflamatórios, que mal utilizados podem levar a piora do quadro ou mesmo a cegueira. Sempre use qualquer medicação com prescrição e indicação de um oftalmologista.

Outras abordagens podem ser necessárias no tratamento do olho seco. Uma delas é o fechamento (de um ou mais) dos dutos lacrimais, que drenam as lágrimas, para evitar sua perda. Isso é feito com plugs de silicone, que em alguns casos podem ser removidos, além da abordagem cirúrgica.

Outra forma de tratamento é o uso de lentes de contato específicas para quem tem olhos severamente secos. Essas lentes protegem a córnea de uma forma semelhante à lágrima, evitando os efeitos do atrito com a pálpebra e conservante a lágrima um tempo maior.

Muitas vezes, quando o olho seco é resultado de uma blefarite, é importante tratar a causa do problema para solucionar o sintoma.

Fonte: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/olhos-secos

Voltar
Atendimento Via WhatsApp

(62) 99346-1044