Cirurgia de Estrabismo

Cirurgia de Estrabismo

Se você pensa em realizar essa cirurgia, o primeiro passo é avaliar o tipo de estrabismo e todo o quadro clínico em uma consulta oftalmológica, visto que apenas um profissional poderá indicar o tratamento mais adequado para cada paciente.

Se for atestada a necessidade de cirurgia, são realizados exames para avaliar o grau de desalinhamento ocular e quais músculos podem ser manipulados. O procedimento é rápido e dura, aproximadamente, uma hora.

O método é eficaz, mas nem sempre corrige 100% do desalinhamento, já que respeita as limitações fisiológicas de cada paciente. Em alguns pacientes, pode ser necessário um segundo procedimento para obter melhores resultados.

Melhora a visão?
Além da parte estética, a cirurgia ainda pode promover ganhos na capacidade de enxergar do paciente, visto que alguns casos de estrabismo vêm acompanhados de visão dupla. Porém, isso não é uma regra, já que os resultados de alguns quadros podem ser puramente estéticos.

Quem pode fazer?
De acordo com o oftalmologista Luiz Geraldo, a correção é eficaz para quase todos os quadros estrábicos. Contudo, se o problema têm causas neurológicas é preciso tratar o problema e, só depois, pensar em como cuidar dos danos oculares.

Já o tratamento para estrabismo infantil deve ser iniciado cedo, ainda na primeira idade, pois quanto mais o tempo passa pior é o prognóstico. Nestes quadros, o uso de óculos e tampão ocular para ajudar na focalização pode funcionar muito bem, caso não haja sucesso, a cirurgia pode ser feita.

Como é feita a cirurgia para estrabismo
O procedimento em adultos é realizado com o paciente acordado, mas sedado e com anestesia local. O uso da anestesia geral é comum em crianças para que não haja incômodos ou nervosismo pelo procedimento. Em ambos os casos, um aparelho é posicionado de forma com que as pálpebras fiquem abertas.

Entender como funciona a cirurgia para estrabismo é simples: como a alteração não se encontra no olho em si, mas sim nos músculos que o movimentam, são realizadas pequeníssimas incisões nas regiões laterais.

O instrumento utilizado atinge as fibras musculares e o médico aplica métodos para reposicionar, fortalecer ou enfraquecer essas regiões para garantir o alinhamento.

Depois, a sutura é feita com pontos, que são absorvidos pelo próprio tecido, ou cola cirúrgica.

É feita nos dois olhos?
A escolha da realização do procedimento de forma unilateral ou em ambas as vistas vai depender do caso apresentado por cada paciente. De acordo com o oftalmologista Luiz Geraldo, alguns indivíduos precisam ter os dois olhos manipulados, mesmo que apenas um seja estrábico, para obter melhores resultados.

Cirurgia para estrabismo dói?
A anestesia impede que o paciente sinta algo no procedimento. Contudo, dores, vermelhidão e irritação nos olhos podem surgir no pós-operatório, mas são facilmente amenizadas com analgésicos e anti-inflamatórios.

A sensação incômoda ainda pode durar alguns dias, semanas ou meses, a depender do prognóstico de cada paciente.

Recuperação da cirurgia de estrabismo
O pós-operatório da cirurgia para estrabismo é tranquilo. Como não há necessidade de internação, o paciente pode voltar para casa no mesmo dia do procedimento, levando consigo um colírio que tem a função de evitar bactérias. A fim de prevenir infecções, é preciso redobrar os cuidados com a higiene e evitar a manipulação dos olhos.

Se houver dor, podem ser usados analgésicos previamente receitados pelo cirurgião. Ainda pode haver sensibilidade à luz nos primeiros dias após a correção, o que é facilmente amenizado pelo uso de óculos escuros.

Alguns profissionais indicam usar compressas geladas com o objetivo de diminuir o inchaço no primeiro dia após a manipulação.

Se a finalização cirúrgica for feita por pontos, o material será absorvido pelo organismo em aproximadamente três meses. Em caso de cola cirúrgica, o tempo cai para dois meses.

Atendimento Via WhatsApp

(62) 99346-1044